Podcasts de história

Nonsuch sch - História

Nonsuch sch - História

Nonsuch

Um antigo nome mantido. Nonsuch, um pequeno navio construído em Wivenhoe em Essex, na Inglaterra, em 1650, ajudou a estabelecer a Hudson's Bay Company.

(Seh: t. 148; lbp. 86 '; b. 21'; dph. 9 '; cpl. 61; a. 14 armas)

Nonsuch, uma escuna armada, foi construída em 1812 em Baltimore, Maryland. Seu proprietário, George Stiles and Company, solicitou uma autorização para Nonsuch como uma carta de marca de 29 de junho de 1812. A escuna logo começou a piratear ao longo da costa leste dos Estados Unidos e nas Índias Ocidentais em busca de frete britânico. Sob o capitão Henry Levely, ela atacou dois navios armados britânicos, um navio e uma escuna na costa da Martinica em 28 de setembro. Nonsuch lutou contra esses dois navios por três horas em uma batalha extremamente furiosa, causando grande confusão e matando ou ferindo um número considerável de inimigos. Infelizmente, os danos ao seu próprio cordame impediram Nonsuch de perseguir os navios britânicos enquanto eles fugiam para a Martinica.

Adquirida pela Marinha e colocada em serviço em Charleston, S.C. em dezembro de 1812, a escuna, sob o comando do tenente James Mork, navegou em janeiro de 1813 para angariar suprimentos para o Exército em Fort Johnson. Ela então voltou a navegar em busca de mercantes ingleses. A escuna capturou a escuna britânica Sancho Pança no início de abril de 1813 e levou o corsário Caledonia, de 8 canhões, após uma luta sangrenta de sete minutos no dia 9. A escuna continuou suas patrulhas para fora de Charleston em 1814. Em junho, ao largo de Charleston Bar, ela foi perseguida por um navio inimigo de força e velocidade superiores e foi forçada a lançar 11 de suas armas ao mar para escapar.

Após a guerra, com seu armamento reduzido a 5 earronades de 12 libras e 1 longo de 12 libras, Noninch anti

pirata cruzou nas Índias Ocidentais. Em 1819, ela, com as fragatas John Adams e Constellation, navegou em um esquadrão sob o comando do capitão Oliver Hazard Perry, o herói do Lago Erie, para o rio Orinoeo, Venezuela, chegando em 15 de julho para desencorajar a pirataria e ainda manter relações amistosas com a Venezuela e os Repub] ie de Buenos Aires. Mudando sua bandeira para Non-uch, o Comodoro Perry navegou rio acima para negociar um acordo antipirataria com o presidente Simon Bolívar. Um tratado favorável foi assinado em 11 de agosto, mas quando a escuna começou a descer o rio, muitos de seus tripulantes, incluindo Perry, foram atingidos pela febre de Yow. O grande herói naval morreu ao chegar a Trinidad em 23 de agosto. Ele foi enterrado em Trinidad com grandes honras enquanto a tripulação de Nonsuch atuava como guarda de honra. Retornando aos Estados Unidos, Nonsuch operou na costa leste e no Caribe contra a pirataria e fez uma rápida implantação no Mediterrâneo. Ela foi colocada em serviço ordinário em Boston em dezembro de 1825, vendida em 1826 e quebrada no mesmo ano.


Palácio Nonsuch

Palácio Nonsuch um palácio Tudor perto de Cheam em Surrey, construído por Henrique VIII. Não foi concluído até 1557, mas o nome é mencionado pela primeira vez nas Contas do Tesouro de 1538. No século 17, o padre católico inglês Richard Lassels (1603? & # X201368), em sua publicação póstuma The Voyage of Italy, referiu-se a Fontainebleau como & # x2018 the Nonsuch of France & # x2019. O Palácio Nonsuch foi demolido em 1670.

Cite este artigo
Escolha um estilo abaixo e copie o texto para sua bibliografia.

ELIZABETH SABE "Palácio Nonsuch". O Dicionário Oxford de Frases e Fábulas. . Encyclopedia.com. 16 de junho de 2021 e lt https://www.encyclopedia.com & gt.

ELIZABETH SABE "Palácio Nonsuch". O Dicionário Oxford de Frases e Fábulas. . Recuperado em 16 de junho de 2021 de Encyclopedia.com: https://www.encyclopedia.com/humanities/dictionaries-thesauruses-pictures-and-press-releases/nonsuch-palace

Estilos de citação

A Encyclopedia.com oferece a capacidade de citar entradas e artigos de referência de acordo com estilos comuns da Modern Language Association (MLA), do Chicago Manual of Style e da American Psychological Association (APA).

Na ferramenta “Citar este artigo”, escolha um estilo para ver a aparência de todas as informações disponíveis quando formatadas de acordo com esse estilo. Em seguida, copie e cole o texto em sua bibliografia ou lista de obras citadas.


História da Ilha Nonsuch

A Ilha Nonsuch tem uma história longa e extremamente variada desde que foi mencionada pela primeira vez pelos primeiros colonizadores. Originalmente soletrado como "Nonesuch" no mapa de Norwood das Bermudas (1618), acredita-se que ele tenha o nome do famoso palácio Tudor iniciado pelo rei Henrique VIII em Surrey, Inglaterra. Quando o "Sea Venture", navio-almirante da frota de socorro para a colônia Jamestown na Virgínia, naufragou nos recifes das Bermudas em 1609, Nonsuch era uma das "ilhas dos pássaros" onde pássaros marinhos, especialmente o Cahow, aninhavam aos milhares e eram recolhidos pelos sobreviventes naufragados para se alimentar. A coleta de Cahows para alimentação continuou depois que as Bermudas foram permanentemente colonizadas em 1612, e foi realizada de forma tão excessiva que em 1616, uma das primeiras peças de legislação de conservação no Novo Mundo foi aprovada "contra o spoyle e devastação dos Cahowes" pelo governador Daniel Tucker. Apesar disso, a coleta ilegal continuou e em 1620, o Cahow tinha aparentemente desaparecido e foi considerado extinto.

Nos anos 1700, como parte das "Terras Comuns" de São Jorge, o Nonsuch foi alugado pelo governo colonial para pastar o gado, mas nunca foi colonizado. Em 1746, o Rev. James Holiday observou que “uma família pode viver aqui lindamente e ter um barco para pescar, um solo excelente: muitos pequenos cedros - é um lugar encantador”. Em 1759 foi vendido a mãos privadas para criar um rebanho de cervos importados da Inglaterra.

Em 1865, O Nonsuch foi comprado pelo Governo Colonial para construir uma estação de quarentena para passageiros e tripulantes de navios que chegavam com doenças infecciosas, especialmente febre amarela. O Mapa Selvagem (1901) mostra Nonsuch com um local de pouso, necrotério, cemitério, refeitório, aposentos do zelador e 2 enfermarias de hospital. A estação de quarentena foi transferida para Coney Island em 1914.

De 1928 a 1934, Nonsuch Island foi alugado para a Sociedade Zoológica de Nova York para uso pelo Dr. William Beebe e Dr. John Tee Van como uma estação de pesquisa marinha e como uma base para uma série de mergulhos para observar animais do mar profundo em seu ambiente nativo usando o Sino de mergulho batisfera. Um total de 35 mergulhos foram feitos estabelecendo o recorde mundial para o mergulho mais profundo da época para 3.028 pés (923 m) em 15 de agosto de 1934. Durante este tempo, o "Sea Fern" hulk foi levantado do porto de St. George e afundado novamente em Não tal para formar um quebra-mar e tanque de retenção para peixes. Ele ainda pode ser visto na doca de desembarque principal.

De 1934 a 1948, a ilha era o lar de uma escola de treinamento, com o governo contratando o Sr. Arthur Tucker (zelador não) para levar “meninos delinquentes” para iniciar a Escola de Treinamento Júnior. Esta escola permaneceu em Nonsuch por 14 anos, educando meninos com problemas disciplinares ou que haviam se envolvido em pequenos crimes e instruindo-os em alvenaria, carpintaria, agricultura e outros trabalhos. Durante esse tempo, insetos cochonilhas introduzidos mataram 95% da floresta de cedro dominante nas Bermudas. Em Nonsuch, toda a cobertura florestal de cedro morreu, basicamente desnudando a ilha. O dano ao Nonsuch foi ainda mais exacerbado quando as cabras puderam pastar na ilha, arrancando a casca e destruindo quase toda a vegetação remanescente.

Em 1941, os Estados Unidos receberam um contrato de longo prazo para construir uma base militar em Castle Harbor para apoiar a guerra anti-submarina e fornecer apoio aéreo e um ponto de reunião para comboios transatlânticos. Castle Harbour foi extensivamente dragado para criar 760 acres de terra recuperada, com mais 414 acres da Ilha de St David sendo incorporados à Base. A Ilha Coopers foi unida a St. David's com aterro dragado, e muitas das ilhas menores em Castle Harbour foram destruídas nesta época. Esta obra foi concluída em 1944, resultando na base aérea e no atual Aeroporto Internacional das Bermudas. Infelizmente, a nova base cortou o fácil acesso a Nonsuch de St. George. Devido ao seu isolamento, falta de ancoragem segura e pequeno tamanho, a Escola de Treinamento foi transferida para a Ilha de Paget, e Nonsuch foi abandonada ao abandono e ao vandalismo.

1951 - Nonsuch torna-se o "Museu Vivo" das Bermudas

Em 1951, o Bermuda Petrel, ou Cahow, considerado extinto há mais de 300 anos, foi redescoberto reproduzindo-se em números muito pequenos nas ilhas de Castle Harbor pelo Dr. Robert Cushman-Murphy do Museu Americano de História Natural, Louis B. Mowbray, curador do Aquário das Bermudas, e o naturalista estudante David Wingate. Embora Nonsuch não fosse uma das ilhas onde o Cahow sobreviveu, seu tamanho maior e elevação mais elevada tornavam-no um local ideal como base para o trabalho de manejo para evitar que Cahow fosse extinto e um possível local futuro para a espécie. realocado e reintroduzido.

Em 1963, o projeto “Museu Vivo” foi iniciado pelo Dr. David Wingate. Um grande trabalho começou na ilha com um grande projeto de reflorestamento nativo no qual mais de 18.000 plantas endêmicas e nativas foram finalmente plantadas, e a criação de duas lagoas artificiais, uma para água doce e outra para habitat de pântano salgado. Durante este tempo, várias espécies indígenas que foram extirpadas das Bermudas nos primeiros dias da colonização foram reintroduzidas com sucesso, incluindo a Garça-da-noite-de-coroa-amarela, Killifish endêmico das Bermudas e a Concha das Índias Ocidentais, que está se tornando comum novamente ao longo do litoral sul das Bermudas. Além disso, entre 1966 e 1976 mais de 16.000 ovos de tartaruga verde foram importados da Costa Rica e enterrados em Nonsuch South Beach, eventualmente eclodindo e indo para o mar, em um esforço para restabelecer esta espécie com uma população reprodutiva nas Bermudas. No entanto, este projeto não parece ter sido bem-sucedido até o momento.

Em 1984, a floresta nativa replantada em Nonsuch, incluindo espécies como o endêmico Cedro das Bermudas, Bermuda Olivewood, Bermuda Palmetto Palm e Bermuda Snowberry, tinha amadurecido o suficiente para começar a autossemear. Os ratos foram erradicados de Nonsuch e mantidos longe por um programa anual de iscas usando rodenticidas anticoagulantes. A ausência de ratos comedores de sementes resultou na germinação espetacular de mudas de plantas endêmicas raras.

Em 1987, O furacão “Emily”, que dizimou árvores não nativas e áreas florestais nas principais ilhas das Bermudas, arrancou o telhado da residência do diretor em Nonsuch mas não causou quase nenhum dano à floresta nativa restaurada, tolerante a furacões, na ilha. No entanto, os furacões “Dean” em 1989, “Felix” em 1995 e “Gert” em 1999 causaram danos significativos e erosão nas áreas costeiras e de praia de Nonsuch e das pequenas e expostas ilhotas de nidificação de Cahow, colocando em perigo as populações de Cahow e prejudicando o pântano salgado e habitats de dunas de praia em Nonsuch.

Em 2000, Dr. David Wingate aposentou-se, com Jeremy Madeiros tornando-se o novo Oficial de Conservação Terrestre e diretor de Nonsuch. Sua primeira prioridade, devido à contínua erosão do furacão das ilhotas de nidificação menores, era investigar métodos para estabelecer uma nova colônia de nidificação de Cahow em Nonsuch, de onde foram erradicados pelos primeiros colonos em 1620. Depois de viajar para a Austrália para observar novas técnicas em Para estabelecer uma colônia de aves marinhas e ser treinado no manejo, anilhamento e manejo de uma série de espécies de aves marinhas, ele decidiu usar uma técnica chamada translocação. Isso envolve monitorar o crescimento dos filhotes desde a eclosão e, em seguida, movê-los em um momento específico de seu desenvolvimento das ilhotas de nidificação originais para um complexo de novas tocas de ninho artificiais construídas em Nonsuch. Esses filhotes foram alimentados à mão e deixados para imprimir no novo local antes de voarem para o mar, com esperança de retornar vários anos depois. A translocação foi apoiada por um sistema de som movido a energia solar reproduzindo os chamados de cortejo Cahow à noite, para encorajar os filhotes Cahow translocados a voltarem como adultos para a terra e procurarem tocas para ocupar como locais de nidificação.

Em 2002, um programa de bandas foi iniciado para ajustar bandas de identificação para Cahows e Tropicbirds adultos e novatos nas ilhas de Castle Harbor. Além disso, foi iniciada a pesagem e medição corporal de pintinhos Cahow acessíveis, e novas tocas de ninho de concreto foram construídas em duas das ilhas de nidificação.

Em 2003, o furacão 'Fabian', a tempestade mais forte a afetar as Bermudas em mais de 50 anos, afetou a ilha com ventos sustentados de 121 mph com rajadas de mais de 160 mph, e afetou a costa sul, incluindo Nonsuch e as ilhas Castle Harbour, com uma velocidade de 9 pés tempestade e ondas de mais de 30 pés. Houve grandes danos nas ilhas de nidificação de Cahow, com 3 das ilhas completamente submersas e duas das ilhas em colapso parcial, com 10 tocas de Cahow sendo destruídas. Em Nonsuch, a lagoa salgada e o habitat do mangue, junto com a praia ao sul e o habitat das dunas, foram completamente destruídos, com Nonsuch quase dividido em duas ilhas. Além disso, o cinturão de vegetação costeira nas linhas costeiras sul e leste da ilha foi desnudado até formar rochas até 35 'acima do nível do mar, enquanto as áreas de penhasco costeiras sofreram grande erosão e colapso, destruindo muitos locais de ninhos de Tropicbird. Em uma boa nota, a floresta nativa restaurada quase não sofreu danos nas partes mais altas da ilha, mostrando a maior resistência que as espécies de árvores e plantas nativas exibem em condições de sobrevivência de furacão. Os danos aos edifícios em Nonsuch incluíram janelas que explodiram, inundações, tetos rachados e tetos internos desmoronados.

O período após o furacão Fabian foi ocupado com reparos urgentes em tocas de ninhos Cahow danificadas nas ilhotas de reprodução e a construção de novas tocas de ninho nas seções mais altas dessas ilhotas, para substituir ninhos totalmente perdidos quando seções das ilhotas desabaram. Este trabalho foi concluído com sucesso no momento em que a população de cahow voltou ao ninho, mas a interrupção causada por este furacão foi evidente, pois o número de pares de nidificação e o número de filhotes emplumados com sucesso diminuíram durante a temporada de nidificação seguinte.

Em 2004, estimulado pelos danos às ilhotas de nidificação durante o furacão do ano anterior, a primeira translocação de 14 filhotes Cahow dessas ilhotas para um novo grupo de tocas de ninho artificiais construídas em Nonsuch (onde Cahows costumava nidificar antes de 1620) foi realizada . Esses filhotes foram alimentados manualmente com lulas e anchovas frescas e monitorados durante seu desenvolvimento até que todos eles voaram com sucesso para o mar, duas a três semanas depois. Nos cinco anos seguintes, de 2004 a 2008, 14 a 24 pintos foram transferidos para Nonsuch anualmente até um total de 105 pintinhos foram translocados, dos quais 102 fugiram com sucesso para o mar.

Em 2005, 21 filhotes Cahow foram translocados das quatro ilhotas originais para a Ilha Nonsuch, com todos emplumando com sucesso para o mar. Em abril deste ano, foi descoberto que Ratos Negros (Rattus rattus) conseguiram nadar para a Ilha Nonsuch e estabeleceram uma população considerável. Mais de 90 caixas de iscas foram colocadas em torno de Nonsuch e os ratos foram erradicados com sucesso em três semanas pelo uso de rodenticidas anticoagulantes.

Em 2006, o furacão Florence passou apenas 50 milhas ao sudoeste das Bermudas, trazendo ventos com força de furacão e altas ondas do oceano que causaram mais erosão nas ilhas de nidificação, mas poucos danos em Nonsuch. Outros 22 filhotes Cahow foram translocados para Nonsuch, com 21 emplumando com sucesso para o mar.

Em 2007, Um total de 25 filhotes Cahow foram translocados para a Ilha Nonsuch, com 24 emplumando com sucesso para o mar.

Em 2008, os últimos 23 filhotes Cahow foram translocados, com 22 recém-nascidos da Ilha Nonsuch, além disso, o primeiro 4 Cahows translocados foram recapturados retornando à Ilha Nonsuch, onde foram identificados positivamente a partir de seus números de banda.

Em 2009, mais Cahows translocados retornaram a Nonsuch, e o primeiro casal reprodutor ocupou uma toca de ninho em Nonsuch, produzindo um filhote que se tornou o primeiro Cahow de incubação natural em Nonsuch desde pelo menos 1620. Este filhote, que ficou conhecido como Somers *, fugiu com sucesso para o mar em 17 de junho. (* após o almirante Sir George Somers, cuja nau capitânia naufragou nas Bermudas há 400 anos em 1609, levando ao povoamento da ilha pelos ingleses). Em setembro, o grande furacão de categoria 4 “Bill” passou 120 milhas a sudoeste das Bermudas, produzindo ventos na ilha com força de furacão e moderada erosão costeira e de praias.

Em 2010, outro grande furacão, “Igor”, aproximou-se das Bermudas como uma tempestade de categoria 3 e, embora tenha enfraquecido para uma tempestade de categoria 1 antes de atingir a ilha quase diretamente, ainda produziu ventos com rajadas de 145 a 112 mph e ondas de até 25 ', causando erosão severa e danos às ilhotas de nidificação de cahow e ao litoral sul e à área da praia da Ilha Nonsuch. A praia sul de Nonsuch foi completamente arrasada até a rocha, efetivamente cortando a ilha em duas, embora a praia tenha começado a reconstruir quase imediatamente. Outros danos menores também foram causados ​​aos edifícios em Nonsuch. Erosão bastante severa, inundações e danos às tocas de ninhos também ocorreram nas ilhotas originais de Cahow. Apesar dos danos, a nova colônia de reprodução Cahow em Nonsuch continuou a crescer, com 4 casais reprodutores produzindo 1 filhote emplumando com sucesso.

Em 2011, o Ascendant Group of Companies iniciou uma parceria público-privada com o Departamento de Serviços de Conservação, com a Ascendant prometendo $ 500.000 por um período de dez anos ($ 50.000 por ano), bem como grupos de trabalho voluntário, para reparos de edifícios e pintura, atualizações do sistema elétrico , remoção de casuarinas e outras vegetações não nativas e construção de novas tocas artificiais de ninhos de Cahow e Longtail. Este apoio iniciou-se com a reparação e pintura das coberturas dos edifícios da ilha, e com o apoio à poda e retirada das casuarinas do lado norte de Nonsuch. O número de Cahows translocados retornando a Nonsuch continuou a aumentar, com 7 pares de nidificação, 4 dos quais produziram filhotes em plumagem com sucesso. 70 ninhos de longtail (Tropicbird) foram monitorados em Nonsuch como parte de um estudo de longo prazo, dos quais 60 tinham atividade reprodutiva e 47 tinham filhotes em plumagem com sucesso.

Em 2012, dois furacões de final de temporada chegaram perto o suficiente das Bermudas para afetar Nonsuch e as ilhas de Castle Harbor com ventos fortes e ondas oceânicas prejudiciais. O furacão “Raphael” passou apenas 160 quilômetros ao sul das Bermudas no dia 16 de outubro, enquanto o “Sandy”, um furacão invulgarmente grande, passou 300 milhas a oeste da ilha em 29 de outubro antes de atingir os litorais de Nova Jersey e Nova York com tempestade recorde ondas e marés. Alguma erosão e danos ao litoral sul de Nonsuch foram causados, bem como às pequenas ilhas vizinhas de nidificação de Cahow. Além disso, grupos de trabalho voluntário do grupo de empresas Ascendant construíram novas tocas de concreto de Cahow, pintaram edifícios e cobriram árvores Casuarina em Nonsuch. A nova colônia de reprodução Cahow em Nonsuch continuou a crescer, com dez casais reprodutores produzindo um total de sete filhotes emplumados com sucesso.

Em 2013, a colônia de reprodução Cahow em Nonsuch cresceu para doze pares de nidificação, tornando-a maior do que a menor colônia de nidificação original. Cinco pintinhos fugiram com sucesso para o mar a partir deste local em maio e junho, perfazendo um total de 18 pintinhos produzidos desde 2009 neste novo local de nidificação. O patrocínio do Ascendant Group of Companies ao Nonsuch Living Museum possibilitou duas grandes conquistas este ano (1) a instalação de “câmeras de tocas” infravermelhas, desenvolvidas pelo Sr. JP Rouja da LookTV, que possibilitaram pela primeira vez videoclipes de crescimento Filhotes Cahow dentro de seus ninhos escuros devem ser feitos e postados em um site para que o público possa acompanhar o desenvolvimento de um filhote Cahow desde a incubação até a emplumação no mar. (2) Um novo sistema de energia solar de última geração foi instalado perto da residência do diretor, fornecendo energia elétrica confiável pela primeira vez desde 2003, quando o furacão "Fabian" destruiu o sistema de energia solar original. Outro grande projeto foi iniciado com a primeira translocação de filhotes de Cahow das ilhotas de nidificação originais para um segundo local em Nonsuch, para estabelecer um segundo ponto de apoio para a espécie. Um total de 14 filhotes Cahow foram translocados para tocas artificiais neste novo local, dos quais 12 fugiram com sucesso para o mar, com sorte para imprimir e retornar a Nonsuch em vários anos.

Em 2014, Nonsuch passou por uma série de eventos notáveis ​​e alguns desafios reais. Uma temporada recorde de nidificação em Cahow viu o crescimento contínuo da nova colônia de nidificação em Nonsuch para treze pares de nidificação, o que produziu um número recorde de nove filhotes emplumados com sucesso. A população total de Cahows em todas as ilhas de nidificação atingiu um número recorde de 108 casais reprodutores, produzindo um número recorde de 58 filhotes emplumados com sucesso.

Além disso, o segundo ano do novo projeto de translocação para um segundo local de colônia 'B' em Nonsuch foi realizado, com 20 filhotes Cahow translocados de todas as quatro ilhotas de nidificação para tocas artificiais, com 19 filhotes fugindo com sucesso para o mar. Ao mesmo tempo, descobriu-se que Ratos recolonizaram Nonsuch pela primeira vez desde 2005. Esses ratos foram colocados sob controle temporário pelo uso de armadilhas vivas, mas os esforços para erradicá-los totalmente ainda estavam em andamento no final do ano.

Em outubro de 2014, não um, mas dois furacões atingiram as Bermudas em rápida sucessão, causando danos generalizados. O furacão “Fay” atingiu a ilha no dia 12 de outubro, seguido apenas cinco dias depois pelo furacão “Gonzalo” no dia 17 de outubro. O furacão Fay causou poucos danos na Ilha Nonsuch, apesar dos ventos com rajadas de mais de 100 mph, mas "Gonzalo" foi um furacão muito mais poderoso, com ventos sustentados de 110 mph com rajadas de 144 mph. Além disso, o centro calmo ou “olho” de Gonzalo passou diretamente sobre as Bermudas, de modo que ventos destrutivos foram sentidos primeiro do leste e, em seguida, do oeste-noroeste após o olho.

Os danos causados ​​à vegetação na Ilha Nonsuch foram extensos, com o cedro das Bermudas endêmico e as árvores nativas Bay-Grape sendo particularmente afetadas, com muitas árvores arrancadas. As endêmicas Olivewood e Bermuda Palmetto Palms, no entanto, provaram ser particularmente resistentes e, embora esfarrapadas, quase não sofreram danos. Os danos aos edifícios em Nonsuch foram geralmente menores e restritos à perda das persianas, reboco da parede do prédio da garagem e queda de seções dos tetos internos da casa principal.


Site Nonsuch Palace hoje

Embora alguns elementos tenham sido usados ​​em outros edifícios (como o próximo Parque Loseley), hoje não há vestígios físicos acima do solo do palácio, jardins ou parques. Tenha cuidado para não confundir Nonsuch Palace com Nonsuch Mansion, a leste do parque, nem com as ruínas do salão de banquetes associadas, cujas fundações ainda são visíveis a sudeste do local do palácio.

Um local extremamente popular para os habitantes locais fazerem exercício ou levarem os seus animais de estimação para passear, a magnífica história do palácio Tudor, que outrora lá existia, é frequentemente esquecida.


  • Peter Gale foi demitido da Nonsuch High School for Girls em Surrey
  • Diretor acusado de comportamento 'impróprio' e 'pouco profissional'
  • Os governadores disseram que houve "violações graves" na proteção
  • Mas a escola de alto desempenho se recusou a confirmar a natureza das alegações
  • ATUALIZAÇÃO: desde a publicação deste artigo, Peter Gale iniciou com sucesso um processo legal contra a escola por demissão sem justa causa e recebeu um acordo fora do tribunal

Publicado: 14:25 BST, 16 de abril de 2015 | Atualizado: 10:53 BST, 9 de agosto de 2018

O primeiro diretor do sexo masculino em uma escola primária só para meninas foi demitido por comportamento 'impróprio' e 'não profissional' menos de dois anos após assumir o cargo.

Peter Gale foi demitido de seu cargo na Nonsuch High School for Girls, devido a 'violações graves' nos procedimentos de proteção. Ele foi acusado de violar a política de tecnologia da informação da escola, enviando e-mails para um aluno de uma conta de e-mail privada.

Ele foi nomeado para dirigir a escola, que conta com a cantora Katie Melua entre suas ex-alunas, em setembro de 2013, após a misteriosa saída de sua diretora anterior, Karin Rowsell.

Em uma carta aos pais, o presidente do corpo diretivo, Tony Hyams-Parish, disse: 'O corpo diretivo encerrou o emprego de Peter Gale na Nonsuch High School for Girls devido a sérias violações na aplicação de procedimentos de proteção e casos de conduta não profissional e inadequada .

“Como você pode imaginar, não foi uma decisão fácil.

“Especialmente porque reconhecemos que, desde a nomeação de Peter, ocorreram muitas mudanças positivas na escola, lideradas por Peter e a equipe de liderança sênior.

'No entanto, o corpo diretivo e os funcionários levam muito a sério suas responsabilidades de proteção para com os alunos e, mais importante, qualquer violação dos procedimentos de proteção e, portanto, agiram prontamente para tratar dessas questões.'

Carol Dickie, tesoureira da escola, disse que a educação dos 1.200 alunos não seria afetada pela demissão, mas não deu detalhes sobre as alegações.


Conteúdo

Editar história primitiva

Há evidências de um possível assentamento da Idade do Ferro no lado sul do parque, que foi identificado durante a construção de estradas em 1939. Poços e lareiras contendo cerâmica da Idade do Ferro, pederneiras queimadas e um spindlewhorl foram encontrados, embora pesquisas arqueológicas subsequentes em 1993-1995 tenham revelado nenhum vestígio de terraplenagem ou achados de superfície. [1]

A estrada romana Stane Street passava ao longo da fronteira noroeste do que hoje é o Nonsuch Park (a moderna London Road / A24) em seu caminho de Londres a Chichester através da nascente próxima em Ewell. [2]

A vila de Cuddington estava localizada dentro do atual Parque Nonsuch. Ele aparece no Domesday Book de 1086 como Codintone. Seus ativos domésticos eram: 5 peles, 1 moinho no valor de 3 xelins e 9 arados. Rendeu £ 9 12s. Sua população total foi registrada em 28 domicílios. [3]

Parte da trilha medieval (possivelmente no início da Idade Média ou mesmo romana) Vicarage Lane passa pelo sudoeste do parque da Ewell Castle School em direção ao local do Nonsuch Palace e teria originalmente passado pela vila de Cuddington. A pista está consideravelmente afundada, mas ainda é uma via pública de passagem. [4]

Edição do início do período moderno

Em 1538, Henrique VIII mandou construir o Palácio Nonsuch no local da vila de Cuddington, que foi completamente demolido, incluindo a casa senhorial, o grande celeiro, a igreja do século 12 e o cemitério. O proprietário de terras, Richard Codington, recebeu o Priorado dissolvido, a mansão, a reitoria e as terras de Ixworth, Suffolk. Esta transação ocorreu em novembro de 1538. [5] O nome "Nonesuch" foi dado porque, alegou-se, não havia "nenhum lugar como este" na Europa. [6] O palácio estava incompleto quando Henrique VIII morreu em 1547 e mais tarde foi demolido por volta de 1682-1683 e os materiais de construção foram vendidos para pagar dívidas de jogo da então proprietária Bárbara, condessa de Castlemaine. [7]

Em seu relato de 1598 sobre suas viagens pela Inglaterra ("Viagens na Inglaterra durante o reinado da Rainha Elizabeth"), Paul Hentzner descreveu favoravelmente o palácio e os parques circundantes: "O palácio em si é tão cercado de parques cheios de veados, jardins deliciosos, bosques ornamentados com treliças, armários de verdura e passeios tão cercados de árvores que parece ser um lugar montado pela própria Prazer para habitar junto com a Saúde. " [8] Hentzner também descreve os jardins circundantes, agora desaparecidos e parte do parque, como tendo "muitas colunas e pirâmides de mármore, duas fontes que jorram água uma em torno da outra como uma pirâmide, sobre as quais estão empoleirados pequenos pássaros que jorram água de seus bicos. uma fonte muito agradável, com Actéon transformado em veado, como ele era salpicado pela deusa e suas ninfas, com inscrições. [e] outra pirâmide de mármore cheia de tubos ocultos, que jorram sobre todos que estão ao seu alcance. " Sobre o nome "Nonesuch", Hentzner comenta que se justifica por ser "sem igual" e diz que um post dizia: “Isso, que nenhum igual tem em arte ou fama, os britânicos merecidamente fazem um nome NONESUCH.”

Samuel Pepys visitou a área em várias ocasiões, [9] muitas vezes ficando nas proximidades de "Yowell" (Ewell), e descreveu o parque como tendo "Um grande passeio de um elme e uma nozes colocados um após o outro em ordem." [10] Em 26 de julho de 1663, Pepys escreveu que, enquanto cavalgava na área do parque e do palácio, seu ". o cachorrinho, como costumava fazer, caiu correndo atrás de um rebanho de ovelhas que se alimentava do campo, até que ficou fora de vista.". [11]

Em 1959, foi iniciada uma grande exploração arqueológica do local previsto para o próprio palácio. Essa escavação levou a um grande conjunto de desenvolvimentos na arqueologia pós-medieval. [12] O local do palácio é marcado por três pequenas colunas de pedra que têm placas com a planta baixa montada nelas, enquanto o layout dos vários jardins do palácio é um tanto coincidente com o layout atual de diferentes campos e áreas. [13]

O local da casa de banquetes é claramente visível no extremo oeste do parque perto da estrada A240. A estrutura Tudor foi demolida em 1667, mas um muro de contenção, de aproximadamente 1 m de altura, foi reconstruído no século XIX incorporando alguns tijolos Tudor originais como parte de uma conversão em um arboreto. [14]


Aulas de caminhada em Cheam

Se você gostaria de manter a forma enquanto explora o belo e histórico Nonsuch Park, leia sobre o Walkfit.

Então. você está planejando uma viagem para Cheam? Boa jogada. Aqui, resumidamente, estão os fatos (e sem bocejos no fundo). Cheam é uma grande vila suburbana, no bairro londrino de Sutton, e também em Surrey. É dividido em três áreas principais: North Cheam, South Cheam e Cheam Village. North Cheam = residencial, comercial e supermercados. South Cheam = residencial (para quem pode pagar os preços dos imóveis). Cheam Village = pequenas lojas especializadas, pubs e restaurantes. Entendi?

Agora relaxe: dê um passeio no Cheam Park

Mas aqui está a história real - é uma cidade vibrante e envolvente, com conexões reais e um passado escandaloso. Tem de tudo, desde salsichas a casas mal-assombradas. e edifícios históricos que datam da época dos Tudor.

Aqui para a cerveja ?: Cheam tem uma variedade de pubs tradicionais para explorar

Você pode aproveitar tanto sua viagem que decide ficar. acontece. Cheam tem muitas vantagens como área residencial - há conexões de transporte úteis para Londres, boas lojas e restaurantes e excelentes escolas. Cheam foi a casa original da Cheam School, que foi formada em Whitehall em 1645, mais tarde ocupou Tabor Court, e então mudou-se para Berkshire em 1934. O Príncipe Philip frequentou a escola (quando na verdade era baseada em Cheam). Quando o príncipe Charles vestiu o tradicional short e boné, a escola mudou-se para Berkshire.

Mansão Nonsuch: datada de 1743, fica no lado leste do Parque Nonsuch. Costumava ser uma casa particular, agora é um local espetacular para casamentos

Agora, há uma série de escolas conceituadas em Cheam, mais notavelmente a Nonsuch High School, uma escola secundária para meninas, e a Cheam High School, uma escola mista. Existem também várias escolas primárias na área, incluindo Cuddington Croft, Cheam Fields Primary e St Dunstan's Primary.

Há muitas informações neste site para ajudá-lo a planejar sua visita. Então você está pronto para começar a descobrir os segredos deste subúrbio incomum.


Galeria Nonsuch

A Nonsuch Gallery convida você a voltar no tempo para Deptford, na Inglaterra, do século 17, para um cais repleto de empresas e onde um navio, o pequeno ketch Nonsuch, has recently docked after a 16 month voyage to what we now call Canada. The original Nonsuch sailed from England in 1668, to trade for furs in Hudson Bay. Her trip proved successful and investors established the Hudson’s Bay Company in 1670. HBC became a powerful force in Canada’s history, making Nonsuch the little ship that started it all! The Nonsuch replica, seen in the Gallery, was built in England in 1968 to celebrate the 300th anniversary of the Hudson’s Bay Company. Built using hand tools of the 17th century it is considered one of the finest replicas in the world, and sailed 14,000 kilometres of salt and fresh water before finding her home at the Manitoba Museum in 1974. In 2018, as part of the Bringing Our Stories Forward Gallery Renewal Project, the Nonsuch Gallery has been updated and enhanced.

Step Aboard!

Just before you enter the Gallery, visitors are invited to step into a small alcove to listen to an oral history by Elder Louis Bird as he recounts a story of first contact between European explorers and the Cree of Hudson Bay.

Proceeding down a corridor, visitors are taken back in time to a scene set at a wharf in Deptford, England in 1669. The Nonsuch is moored at the dock, an enormous mural of the marshy Isle of Dogs is seen across from the ship, and provides a stunning backdrop for a light and soundscape cycle that simulates day and night, sunshine and rain. o Nonsuch has her many sails unfurled, drying in the breeze after the rain, showing off each inch of hand woven linen.

The Nonsuch has just returned from Hudson’s Bay, her cargo is unloaded and stacked on the dock. Visitors make their way past the bales of fur and goods to step aboard the Nonsuch to explore her decks. Take hold of the tiller, reference the compass, and imagine steering her to clear waters! Go below deck to the captain’s cabin and marvel at the narrow confines of her living quarters.

Step back ashore and enter the Boar’s Head tavern where Captain Gillam and other members of the crew regale pub visitors with tales of adventure, having wintered at the mouth of the Rupert River and traded with the Cree (modern-day Waskagnaish, Quebec).

Make your way to the Pier, complete with viewscopes, you’ll have a perfect view of the ship to properly appreciate the beauty of the ship’s construction and visually interrogate the rigging, unfurled sails, and many carved wooden decorations.

What You Will Learn

In addition to the inspiring story of the original 17th century Nonsuch, the replica ship, created in 1968 has its own marvellous story of adventure. Learn of the creation of the ship using 17th century hand tools, and her voyages through the Atlantic, Great Lakes, Pacific, and eventual journey to her new home at the Manitoba Museum.

The adjacent HBC Gallery [link] next door is the entry point to an elevator that takes visitors up to the Nautical Balcony. Here visitors will enjoy a fascinating look into HBC’s past – from a model ship display and highlights of the HBC’s nautical history to stories of fascinating contributions to science and surprising stories about the scope and reach of the HBC beyond fur-trading. This is also a prime location for photographs of the Nonsuch.

Sobre aNonsuch – The Nonsuch replica was built in England to celebrate the 300 th anniversary of the Hudson’s Bay Company in 1970. It is considered one of the finest replicas in the world, and sailed 14,000 kilometres of salt and fresh water before finding her home at the Manitoba Museum in 1974. For those who might think the ship might ever leave the Museum, it’s important to note that the gallery walls were built around the Nonsuch and she cannot be removed from the Museum! The reopening of the Nonsuch Gallery coincides with the 350 th anniversary of the voyage of the Nonsuch to Hudson Bay in 1668.

Nonsuch Rigging Project: A Conservation Story

Since the mid 1970s, the replica Nonsuch has been and continues to be one of the most beloved artifacts and exhibitions at the Manitoba Museum. Adjacent to the Museum’s Bringing Our Stories Forward Capital Gallery Renewal Project, the Nonsuch Rigging Project was carried out by a team of professional ship riggers.

A summary of the Nonsuch story, by Laird Rankin, author of The Return Nonsuch: The Ship that Launched an Empire. This publication is available at the Museum Shop.


Nonsuch Gallery

The Nonsuch Gallery invites you to step back in time to 17th century Deptford, England, to a wharf lined with businesses and where a ship, the small ketch Nonsuch, has recently docked after a 16 month voyage to what we now call Canada. The original Nonsuch sailed from England in 1668, to trade for furs in Hudson Bay. Her trip proved successful and investors established the Hudson’s Bay Company in 1670. HBC became a powerful force in Canada’s history, making Nonsuch the little ship that started it all! The Nonsuch replica, seen in the Gallery, was built in England in 1968 to celebrate the 300th anniversary of the Hudson’s Bay Company. Built using hand tools of the 17th century it is considered one of the finest replicas in the world, and sailed 14,000 kilometres of salt and fresh water before finding her home at the Manitoba Museum in 1974. In 2018, as part of the Bringing Our Stories Forward Gallery Renewal Project, the Nonsuch Gallery has been updated and enhanced.

Step Aboard!

Just before you enter the Gallery, visitors are invited to step into a small alcove to listen to an oral history by Elder Louis Bird as he recounts a story of first contact between European explorers and the Cree of Hudson Bay.

Proceeding down a corridor, visitors are taken back in time to a scene set at a wharf in Deptford, England in 1669. The Nonsuch is moored at the dock, an enormous mural of the marshy Isle of Dogs is seen across from the ship, and provides a stunning backdrop for a light and soundscape cycle that simulates day and night, sunshine and rain. o Nonsuch has her many sails unfurled, drying in the breeze after the rain, showing off each inch of hand woven linen.

The Nonsuch has just returned from Hudson’s Bay, her cargo is unloaded and stacked on the dock. Visitors make their way past the bales of fur and goods to step aboard the Nonsuch to explore her decks. Take hold of the tiller, reference the compass, and imagine steering her to clear waters! Go below deck to the captain’s cabin and marvel at the narrow confines of her living quarters.

Step back ashore and enter the Boar’s Head tavern where Captain Gillam and other members of the crew regale pub visitors with tales of adventure, having wintered at the mouth of the Rupert River and traded with the Cree (modern-day Waskagnaish, Quebec).

Make your way to the Pier, complete with viewscopes, you’ll have a perfect view of the ship to properly appreciate the beauty of the ship’s construction and visually interrogate the rigging, unfurled sails, and many carved wooden decorations.

What You Will Learn

In addition to the inspiring story of the original 17th century Nonsuch, the replica ship, created in 1968 has its own marvellous story of adventure. Learn of the creation of the ship using 17th century hand tools, and her voyages through the Atlantic, Great Lakes, Pacific, and eventual journey to her new home at the Manitoba Museum.

The adjacent HBC Gallery [link] next door is the entry point to an elevator that takes visitors up to the Nautical Balcony. Here visitors will enjoy a fascinating look into HBC’s past – from a model ship display and highlights of the HBC’s nautical history to stories of fascinating contributions to science and surprising stories about the scope and reach of the HBC beyond fur-trading. This is also a prime location for photographs of the Nonsuch.

Sobre aNonsuch – The Nonsuch replica was built in England to celebrate the 300 th anniversary of the Hudson’s Bay Company in 1970. It is considered one of the finest replicas in the world, and sailed 14,000 kilometres of salt and fresh water before finding her home at the Manitoba Museum in 1974. For those who might think the ship might ever leave the Museum, it’s important to note that the gallery walls were built around the Nonsuch and she cannot be removed from the Museum! The reopening of the Nonsuch Gallery coincides with the 350 th anniversary of the voyage of the Nonsuch to Hudson Bay in 1668.

Nonsuch Rigging Project: A Conservation Story

Since the mid 1970s, the replica Nonsuch has been and continues to be one of the most beloved artifacts and exhibitions at the Manitoba Museum. Adjacent to the Museum’s Bringing Our Stories Forward Capital Gallery Renewal Project, the Nonsuch Rigging Project was carried out by a team of professional ship riggers.

A summary of the Nonsuch story, by Laird Rankin, author of The Return Nonsuch: The Ship that Launched an Empire. This publication is available at the Museum Shop.


Tuesday, 18 May 2021

Nonsuch HP Internet Safety Policy

Nonsuch HP is obviously very concerned about that its readers and contributors keep safe when using the internet and social media and recommends sites such as:

These include the latest advice and guides on how to use social media safely and keep settings up to date.

We have therefore set up a Safeguarding Policy to protect our readers which is published below. Please take time to read it.

The Nonsuch HP Blog: Safeguarding Policy
nonsuchhp.blogspot.com

Since it was created in May 2009, the Nonsuch HP Blog has been very successful at creating interest in historical and political topics and sharing useful information and resources. Clearly as the blog is a public website accessible by all it is important to ensure the safety of everyone using it to prevent personal details being passed on to a third party. These are the steps we have put in concerning safeguarding:

1. We do not publish pictures or specific details of contributors or their names on the blog. If a contributor’s work is highlighted on the blog (such as a powerpoint or a poster) it will not contain personal information about its author.

2. We do not post articles focusing on individual contributors and their activities.

3. Anyone who makes a comment is published anonymously and must not include personal information about themselves.

4. All comments are read and can be deleted by the blog’s editors.

5. Comments should not reveal extra personal information about their authors.

6. Contributors are strongly encouraged not to reveal information about themselves to anyone who makes contact with them via the internet.

Clearly the internet is a continually-changing environment and we will continue to monitor and adapt the blog if further changes are required in the future.


Nonsuch HP has an occasional presence on Twitter. The steps mentioned above will also be applied to any posts or comments made where relevant. Furthermore…

1. We will accept followers to our Twitter feed, but will not follow personal accounts of students.

2. We will not use the Twitter feed to express personal or private opinions, but to raise awareness of historical or political issues.

3. We encourage users of Twitter and all other forms of social media to act responsibly and to refrain from making any comments that are derogatory tow ards other users

This Week in the Middle East - The Sykes-Picot Agreement

This Week’s Historical Theme: The Middle East

A significant event throughout the history of the Middle East is the Sykes-Picot Agreement. The First World War was a turning point in the Arab struggle for independence against their Turkish rulers under the Ottoman empire. Turkey fought on the German side against Britian and its allies. As the British navy were beginning to make more use out of oil, they were afraid that their supplies of oil from Persia might be cut off by the Turks and also wished to protect the Suez Canal. As a result, they decided to encourage the Arabs to rebel against their Turkish rulers and seek independence. The British high commissioner in Egypt, Sir Herbert McMahon, exchanged several letters with Hussein, the sharif of Mecca, promising that if the Arabs fought against the Turks, the British would support Arab independence. As a result, in 1916 an Arab army was raised and led by Emir (Prince) Faisal, the son of Hussein. In 1917, British troops entered Jerusalem, the capital of Palestine, driving out the Turks.

Having fought for their independence from the Turks, the Arabs were determined to be completely self-governed. British and French colonial interests got in the way of this as they wished to maintain their power and influence in the Middle East. They had made a secret agreement in 1916 to carve up Turkey’s Arab lands after the war and share them out between themselves. This is known as the Sykes-Picot Agreement. After the conclusion of WWI, The Treaty of Versailles in 1919 gave Britain mandates to govern Palestine, Jordan, and Iraq, and France mandates to govern Syria and Lebanon. These regions were divided by the Sykes-Picot borders which divided the Middle East into spheres of influence with little regard for the problems this would subsequently cause.

Want to find out more about the Sykes-Picot Agreement? Click here for more information, or here for more about Mandatory Palestine.

List of site sources >>>


Assista o vídeo: Nonsuch Leavers Music Video 2015! (Janeiro 2022).